Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

9 meses e 10 dias depois...

 

O sábado é, de facto, o dia em que vem ao de cima o lado positivo da vida, mesmo sem sol, é possível cantar "always look on the bright side of life".

Este dia da semana é sempre aquele dia demorado que permite acordar um bocadinho mais tarde, ficar numa esplanada, ler um livro, escrever-te com tempo e pensar...

 

... na forma em como acredito na felicidade, em como este é, para mim, um estado de estar e não um estado de ser. Ou seja, eu não acredito verdadeiramente na felicidade, mas acredito em momentos de felicidade, de pequenos detalhes, sopros...

Imagine-se um comboio que viaja hoje pelas linhas da nostalgia, que só o são porque um dia foram dias felizes, breves momentos. As estações representam essa ambição breve de estar feliz na viagem que é a vida.

 

Obrigado por teres comparecido em muitas dessas estações, mesmo que efemeras!

 

 

 


afteramsterdam às 22:19
| comentar | favorito
Domingo, 1 de Fevereiro de 2009

8 meses e 14 dias depois...

 

Na maioria das comédias romanticas que assisti, quando se dá o fim de uma relação a rapariga sofre profundamente durante uma, vá lá, no máximo duas semanas.

Durante a primeira semana todas as rotinas e necessidades básicas são substituídas pelo choro e exílio debaixo dos cobertores, em casa, vê filmes romanticos a preto e branco e imagina como seria a sua história se tivesse aquele final feliz... chora... chora... chora... Não atende o telefone e é bem capaz de passar um dia ou dois sem ir trabalhar.

Na segunda semana aparece a brigada do chocolate (as amigas), com a missão do salvamento da vítima, levam um kit de sobrevivência que inclui um verniz, uma roupa nova, 3 bilhetes para o teatro, um mandato de captura com base num decreto lei qualquer barra não sei quê, que lhe mostre que ela é "uma mulher fantástica"!... e pronto!

A vítima é uma nova mulher, volta a calçar sapatos de salto alto, a caminhar de cabeça erguida... enfim... fecha a porta daquele quarto, encerra o capítulo, vira a página.

Eu não díria que ela deva bater a porta, porque também esse quarto e o seu conteúdo comporta o que somos, que não é mais do que o que fomos, vivemos, rimos, chorámos, sofremos... e tudo isso merece o nosso respeito (penso eu).

O problema surge quando, como no meu caso (atenção que não estou a vitimizar-me, é apenas uma reflexão como todas as outras), o luto se perpetua durante meses e meses sem que haja um funeral, uma incineração, é uma despedida permanente que amputa o presente e o futuro. O dia a dia passa a representar um círculo, como aquelas rodas das gaiolas dos hamsters. A vida converte-se numa recordação agridoce permanente entre o que aconteceu, o que poderia ter sido e não foi, o que tivemos e perdemos e assim gastamos as nossas energias.

 

 

 

 

música: Nina Simone - Love or leave me
tags: ,

afteramsterdam às 20:04
| comentar | favorito
Sábado, 3 de Janeiro de 2009

7 meses e 16 dias depois...

 

Baloiço entre o sim e o nada, numa cadência invisível

Saboreio o vento que outrora me beijou o cabelo, sinto-lhe um travo a tudo, a nada

Fico suspensa entre o amor e a indiferença

Sustenho a respiração

Abandono-me, deixo de sentir os pés na terra

Atiro-me para fora de pé numa oscilação, sem que ouça rodar a chave para lado nenhum

Não me pertenço

Obedeço

O medo está por perto, empresto-lhe um pouco de mim

Olho linhas escritas no cèu... para quê? pergunto-me

Só queria parar este escrever que me acorda e me abala o sossego, que me deixa neste vai e vem

Já é hora de voltar, os ponteiros marcam um depois necessário, um virar de página, um desvio para a vida

 

 


afteramsterdam às 10:43
| comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

6 meses e 29 dias depois...

 

Quando despertei e deixei de te ter comigo, julguei que a minha vida terminava... que os dias não mais passariam... e houve alguns que demoraram anos a passar!
Obviamente, os dias passaram... pouco ou nada se alteraram... a minha vida, de uma forma ou outra, continuou... continuei a sentir um vácuo enorme, em mim, mas, isso, em momento algum fez com que a minha existência terminasse...
Os dias continuam a passar... a vida segue o seu rumo... outros dias virão... novos rumos serão traçados (projectos e artimanhas para poder chegar-te, dizer-te "olá, estou aqui! e continuo a amar-te todos os dias")

A cada amanhecer procuro motivos para sorrir, para querer viver, ser feliz, partilhar...
Contudo... nunca viverei a vida em pleno, porque parte de mim está contigo e contigo permanecerá para sempre...
A minha alma pertence-te desde o momento em que te disse, pela primeira vez, que te amava...
Não era apenas o amor que proclamava, era o caminho para a minha alma que te abria... e, apesar de tudo, percorreste-o... e, muito embora, tenhas partido, a minha alma ficou cravada a ti... e o caminho desapareceu atrás dos teus passos...
 
Não são conjunturas, devaneios ou suposições o que aqui escrevo... é a verdade pura que percorre  a minha vida, que me sustenta e me faz manter acesa a luz, ainda que me tenhas deixado no escuro!


afteramsterdam às 21:40
| comentar | ver comentários (1) | favorito

.Por cá...

Free Web Counter
Free Counter

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

. 9 meses e 10 dias depois....

. 8 meses e 14 dias depois....

. 7 meses e 16 dias depois....

. 6 meses e 29 dias depois....

.tags

. todas as tags